Como fazer a gestão de riscos no transporte rodoviário de cargas

O ditado “prevenir é melhor do que remediar” não foi criado para o setor logístico, mas poderia ter sido, já que se encaixa perfeitamente. Quem atua no transporte rodoviário de cargas sabe que investir em prevenção reduz os prejuízos e garante a competitividade. Ou seja, fazer a gestão de riscos não é uma escolha, é uma condição essencial para os negócios.

A gestão de riscos identifica os gaps na operação de transporte de cargas, define estratégias de segurança e aumenta a performance operacional.

Problemas constantes que necessitam da gestão de riscos

No Brasil, os altos índices de acidentes e roubo de cargas, a falta de infraestrutura nas estradas e as más condições das rodovias tornam as operações rodoviárias extremamente desafiadoras.

Ainda que os riscos sejam inevitáveis em qualquer atividade, o setor logístico é bastante suscetível.

Felizmente, com uma gestão de riscos assertiva e esforços concentrados na mitigação dos problemas fica mais fácil reduzir as probabilidades de que algo interfira na assertividade, na qualidade das entregas e nos lucros.

Hoje, tanto transportadores quanto embarcadores têm todas as condições de aumentar a performance com processos otimizados, times capacitados e o uso de tecnologias para a gestão de riscos. Para entender melhor o que é a gestão de riscos e como explorar essa estratégia no transporte rodoviário de cargas, confira o nosso artigo.

O que é gestão de riscos?

A gestão de riscos no transporte rodoviário de cargas envolve uma série de análises, estudos, levantamentos, reconhecimento de ofensores, condutas e boas práticas para mitigar problemas e reduzir eventuais prejuízos a transportadores e embarcadores.

Essas iniciativas são adotadas levando em conta o tipo de transporte, a complexidade da operação e todos os riscos envolvidos que possam impactar na imagem da empresa, nos resultados financeiros, na segurança dos envolvidos e na satisfação dos clientes.

Com conhecimento sobre os riscos da operação, estratégias para planejar e organizar a movimentação de cargas e tecnologia para o monitoramento das viagens, o rastreamento de cargas, a roteirização, o controle das manutenções preventivas da frota, treinamento e visibilidade em tempo real é possível reduzir consideravelmente os riscos.

Leia também: Tecnologias no transporte rodoviário de cargas: como potencializar a gestão e a segurança das operações.

Principais riscos no transporte rodoviário de cargas

Para fazer uma gestão de riscos eficaz é preciso conhecer os principais problemas enfrentados pelo setor de transporte rodoviário de cargas no Brasil. Confira alguns:

Acidentes nas estradas

Os acidentes de trânsito estão entre as ocorrências mais comuns e pesam no bolso. O Painel de Consultas Dinâmicas dos Acidentes Rodoviários, elaborado pela Confederação Nacional de Transportes (CNT), mostra que o prejuízo anual em decorrência de acidentes nas rodovias federais gira em torno de R$ 12 bilhões.

Em 2021 foram registrados 64.452 acidentes. A cada 100 km de rodovia há uma média de 80 acidentes com vítimas. As colisões corresponderam a 60,2% dos casos, seguidas por saída da pista (15,6%) e capotamento/tombamento (12%). Cerca de 16% dos acidentes com mortes envolvem caminhões.

Roubo de cargas

O Brasil é considerado um dos países mais inseguros para a movimentação de cargas. O prejuízo com roubo de mercadorias supera R$ 1,2 bilhão por ano, segundo estimativas da NTC&Logística, o que eleva os custos de frete, o valor do seguro e, evidentemente, o preço das mercadorias.

O roubo e a receptação de cargas são problemas que obrigam as empresas a investir em uma gestão de riscos focada na segurança, na seleção criteriosa dos profissionais envolvidos na operação e no uso de tecnologia para rastreamento e monitoramento das viagens.

Avarias à carga

As más condições das estradas brasileiras aumentam o risco de acidentes e de avarias à carga. Mercadorias entregues com algum tipo de dano representam prejuízos e problemas para transportadores, embarcadores e consumidores finais.

A devolução de cargas por avaria aumenta a complexidade das operações logísticas e compromete a imagem de quem presta o serviço de transportes. Para garantir a integridade dos produtos é fundamental adotar estratégias e cuidados inclusive durante o embarque, desembarque e acomodação das mercadorias no caminhão.

Manutenção da frota

A falta de manutenção preventiva é outro exemplo de que remediar custa caro. Um caminhão quebrado na estrada é, sem dúvidas, um grande risco para a operação. Além de ficar mais suscetível à ação de criminosos interessados na carga, o tempo parado e os atrasos na entrega também representam prejuízos.

Essa é uma situação que pode ser amenizada se as empresas investirem em manutenções preventivas e mantiverem a frota rodando em boas condições.

Multas e apreensões

No Brasil, há leis que regulamentam o transporte rodoviário de cargas e as empresas devem estar atentas para cumprir todas as exigências, evitando problemas durante a viagem.

A falta de documentações ou o não cumprimento de determinações legais, por exemplo, pode acarretar multas, apreensões e até impedir que o motorista siga viagem, causando um grande transtorno e tempo perdido nas operações.

Atrasos nas entregas

Clientes querem receber a mercadoria no menor tempo possível e com o menor custo. O cumprimento dos prazos de entrega é um requisito essencial para quem deseja se manter competitivo e fidelizar o cliente.

Além disso, todos os envolvidos querem saber exatamente onde está a mercadoria, qual a previsão de chegada e ser informado sobre eventuais atrasos. Visibilidade e comunicação são essenciais. Não planejar as entregas e falhar recorrentemente no cumprimento dos prazos é um erro para quem atua no transporte de cargas.

Como usar a tecnologia para aumentar a segurança no transporte de cargas e evitar acidentes nas rodovias
Baixe agora nosso ebook Como usar a tecnologia para aumentar a segurança no transporte de cargas e evitar acidentes nas rodovias.

Como ser eficiente na gestão de riscos

Fazer uma boa gestão de riscos requer, em primeiro lugar, análise criteriosa de todos os gaps e deficiências da operação. Conhecer, exatamente, cada fragilidade do processo é o primeiro passo para gerenciar os problemas.

A gestão de riscos começa bem antes de o caminhão sair do pátio!

A seleção e o treinamento dos motoristas, a escolha do prestador de serviços, o conhecimento sobre o trajeto a ser feito, as particularidades de cada carga e cliente, a automatização de atividades para redução da margem de erros, a documentação em dia, a frota impecável, o planejamento dos embarques, o cuidado com as entregas e o uso de recursos que garantam a visibilidade do começo ao fim do processo são essenciais.

Anote aí algumas dicas para ser eficiente na gestão de riscos:

  • Faça um diagnóstico completo do negócio, analise todos os eventuais problemas e fragilidades da operação e faça um plano estratégico para minimizar os riscos.
  • Invista em tecnologias para o rastreamento das cargas e monitoramento, em tempo real, das viagens.
  • Automatize suas operações para que os processos rotineiros não demandem atenção e tempo do time de profissionais. Use a expertise, a inteligência e o conhecimento das equipes no planejamento estratégico.
  • Conte com gerenciadoras de risco experientes e soluções inteligentes para gerenciar os riscos da operação.
  • Tenha visibilidade sobre as viagens e acesso aos dados em tempo real, o que permite a tomada imediata de decisões em caso de problemas ou necessidade de ajustes, como reagendamento de entregas.
  • Mantenha comunicação em tempo real com todos os envolvidos na operação.
  • Tenha um Plano de Gerenciamento de Riscos focado nas especificidades do negócio e certifique-se de que as diretrizes serão seguidas por todos.
  • Reúna o máximo de informações possíveis em dashboards gerenciais que vão nortear decisões para melhorias nos processos e na gestão dos riscos.
  • Verifique sistematicamente a eficácia das estratégias e ações adotadas.
  • Conte com fornecedores, parceiros e colaboradores certos. A gestão de riscos começa na seleção dos times que vão atuar nas operações logísticas e, principalmente, no transporte das cargas.
  • Adote ferramentas tecnológicas para elevar a performance das operações e aumentar a segurança.

Leia também: Cadastro de motoristas: como a Buonny ajuda na gestão de riscos.

Planilha de Ponto de Equilíbrio Financeiro

Tecnologia: aliada na gestão de riscos

Quem deseja aprimorar a gestão de riscos precisa contar com parceiros especialistas em soluções para logística e transporte rodoviário de cargas, além de investir em inovação e tecnologia.

Um exemplo é o Monitoramento 24 Horas, que une os melhores sistemas de rastreamento de viagens, a exclusiva tecnologia WebGuardian de automação baseada em inteligência artificial e a experiência dos melhores especialistas em segurança para aprimorar a gestão de riscos nas operações de transporte.

Desenvolvida pela Buonny, a solução traz resultados mais efetivos no gerenciamento de riscos, como:

  • aumento da produtividade nas entregas,
  • redução de sinistros,
  • sistema de pronta resposta e atendimento ao condutor em situações de emergência,
  • serviço de inteligência para atuação junto aos órgãos de segurança pública em caso de roubo com foco na segurança dos motoristas e na recuperação das cargas.

Outro aliado na gestão de riscos é a Gestão Logística, que faz o planejamento das viagens e rotas e fornece dashboards gerenciais com relatórios que dão ampla visão de todo o processo.

A localização dos caminhões é feita por meio do celular do motorista, com o uso de um aplicativo exclusivo da Buonny – o Buonny Driver, disponível para Android e iOS. Tudo de forma integrada com os principais sistemas de gestão logística e com outras tecnologias de rastreamento, como as oferecidas pela BuonnyTech.

Quer conhecer o conjunto completo de tecnologias e serviços da Buonny para a gestão de riscos da sua empresa? Fale agora com um especialista.

Compartilhar esse artigo:
LinkedInFacebookTwitter

Entre em contato