Cuidado com as Fake News sobre a greve de caminhoneiros

Durante a greve dos caminhoneiros no Brasil, que lutam contra a alta dos preços do óleo diesel, uma onda de Fake News tem se espalhado na rede.

As notícias vão desde a exigência de renúncia dos presidentes Michel Temer, Rodrigo Maia e Eunício Oliveira, da República, Câmara e Senado, respectivamente, a preços de diesel praticados na Bolívia.

Principais Fake News da greve de caminhoneiros

Vale ressaltar que as principais reivindicações da classe estão ligadas aos valores do diesel, frete e pedágio. Confira as principais Fake News que estão circulando na internet sobre a greve:

Voto impresso

Ao contrário do que foi veiculado em alguns sites, voto impresso e conferência da apuração não estão na pauta oficial de reivindicações dos caminhoneiros.

Intervenção militar

Ainda que boa parte dos motoristas falem em medidas extremas como uma intervenção militar no país ou de militares em cargos políticos, não é uma posição oficial das lideranças e da maioria dos grevistas.

Exame toxicológico

Embora polêmico por tudo o que envolve, e principalmente por só atingir os motoristas que possuem habilitação a partir da CNH C, o exame toxicológico, pelo menos até o momento, não está na mesa de negociação entre grevistas e governo.

Porte de arma

Embora defendido por muitos motoristas, o porte de arma não é unanimidade entre os grevistas, e muito menos é uma das pautas levadas ao governo.

Participação do exército

Circulam vídeos e notas onde, supostamente, o Exército Brasileiro está apoiando o movimento grevista. No entanto, com exceção de alguns militares da reserva, a instituição não divulgou nota oficialmente para declarar tal apoio.

Fique por dentro da logística com a Buonny

Para seguir acompanhando as atualizações da logística, conte com a Buonny. Somos referência no gerenciamento de riscos no transporte de cargas, ajudando transportadores a diminuírem seus prejuízos e aumentarem sua produtividade com entregas dentro do prazo e maior satisfação do cliente. Clique aqui e converse com nossos especialistas.

Compartilhar esse artigo:
LinkedInFacebookTwitter

Entre em contato