Prevenção de acidentes: como aumentar a segurança no transporte

O bom desempenho do transporte rodoviário de cargas passa pela prevenção de acidentes. Para um setor que depende da redução de custos e da melhoria da eficiência como forma de manter a competitividade, tornar a operação mais segura, com entregas assertivas, é essencial.

No Brasil, as falhas humanas e a falta de infraestrutura e manutenção das rodovias estão entre as principais causas de acidentes de trânsito. Cerca de 20% dos casos envolvem caminhões.

O Painel CNT de Acidentes em Rodovias Federais revela o tamanho do prejuízo social e financeiro: 63.447 acidentes, 71.370 feridos, 5.287 vidas perdidas e um prejuízo de R$ 10,22 bilhões em 2020. Os gastos com indenizações, previdência e atendimentos de saúde faz a conta subir para R$ 50 bilhões.

Com números tão preocupantes, é impossível ignorar a situação. Para aumentar a segurança no transporte rodoviário de cargas, o caminho é investir na prevenção de acidentes. É sobre isso que vamos falar neste artigo. Boa leitura!

Prevenção de acidentes de trânsito necessária para o Brasil e o mundo

O Brasil é um dos recordistas em acidentes e mortes no trânsito e quase 80% das vítimas são homens. Um levantamento da Organização Pan-americana da Saúde, ligada à Organização Mundial da Saúde, estima que 1,3 milhão de pessoas morrem todos os anos, no mundo, em acidentes de trânsito.

A soma pode chegar a 50 milhões se contabilizados os feridos. O continente americano é responsável por 12% das mortes, um quarto delas no Brasil.

A estimativa do World Resources Institute (WRI) e do Global Road Safety Facility, responsáveis pela pesquisa “Sustentável e Seguro – Visão e Diretrizes para Zerar as Mortes no Trânsito”, é de que, até 2030, os acidentes se tornem a sétima causa de mortes em todo o mundo, provocadas pela falta de vias seguras, pouco planejamento urbano e fiscalização de trânsito inadequada.

Só em 2020, o Brasil registrou mais de 63 mil acidentes nas rodovias federais, sendo 37 mil colisões, 7,4 mil tombamentos/capotagens, cerca de 4 mil atropelamentos e 199 derramamentos de carga.

Caminhões nas estradas

O estudo “Acidentes Rodoviários – Estatísticas Envolvendo Caminhões”, da Confederação Nacional do Transporte (CNT), analisa as ocorrências entre os anos de 2007 e 2018.

Do total de acidentes (1.721.609) registrados nas rodovias federais brasileiras no período, 570.029 tiveram o envolvimento de pelo menos um caminhão, com 38.040 vítimas.

Responsável pela movimentação de mais de 60% das cargas no Brasil, o transporte rodoviário precisa contar com medidas de segurança, prevenção, capacitação dos motoristas e gerenciamento de riscos para aumentar sua performance, reduzindo custos e índices de sinistralidade.

Leia também Gerenciamento de riscos: entenda como a prevenção de sinistros melhora a performance no transporte de cargas.

Tipos de acidentes mais comuns no transporte rodoviário de cargas

A colisão é o principal tipo de acidente com envolvimento de caminhões, chegando a 67,4% das ocorrências nas rodovias federais. Os tombamentos/capotagens correspondem a 15,8% das ocorrências e 11,1% envolvem saídas de pista.

O levantamento da CNT revela que dos 38.040 mortos em acidentes com caminhão, 29.357 ocorreram em colisões. Capotagens e tombamentos foram responsáveis por 25,6% das mortes e as saídas da pista, 20,9%.

Algumas rodovias são mais perigosas e 78,2% dos acidentes com vítimas estão concentrados em 20 estradas federais. No topo da lista estão a BR-116, com 15,9% dos casos, e a BR-101 (14,8%).

O maior registro de acidentes com vítimas por 100 km de extensão com envolvimento de caminhões em 2018 foi em São Paulo (66,6). Em segundo lugar aparece Santa Catarina, com 55,3 acidentes a cada 100 km; em terceiro lugar, o Espírito Santo (48,4), seguido pelo Rio de Janeiro, com 40,4.

Causas dos acidentes nas rodovias

A falta de atenção de condutores está entre as principais causas dos acidentes de trânsito e representa mais de 25% dos sinistros envolvendo caminhões. Quase 30% das mortes tiveram como causa o fator humano. A falta de atenção dos motoristas causou 26.957 acidentes em 2019 e mais de 24 mil em 2020.

A insegurança aumenta por causa da falta de infraestrutura nas estradas brasileiras: sinalização com falhas, problemas no pavimento, falta de acostamento e traçado ruim. Em 2019, os defeitos nas vias levaram a 3.839 acidentes. Em 2020, foram 3.668 ocorrências.

Já os defeitos nos veículos e a falta de manutenção causaram 4.995 acidentes em 2019 e 5.212 em 2020. A malha rodoviária de pista simples – a maioria no Brasil – é outro problema.

Para os caminhoneiros, trafegar em vias que aumentem o risco nas ultrapassagens é um complicador. No Brasil, entre 2007 e 2018, 66,4% dos acidentes com caminhão ocorreram em pista simples, somando 80,2% dos óbitos.

Confira as rodovias federais com os piores trechos para tráfego, de acordo com a CNT. Minas Gerais é o estado mais crítico e divide o ranking com Goiás e Bahia.

Trechos analisados nas rodovias em Minas Gerais

  • Grão Mogol (BR-251): 407,6 Km ao 417,6 Km
  • Francisco Sá (BR-251): 467,6 Km ao 477,6 Km
  • Uberlândia (BR-365): 589,4 Km ao 599,4 Km
  • São Gonçalo do Rio Abaixo (BR-381): 369 Km ao 379 Km
  • São Gonçalo do Rio Abaixo (BR-381): 379 Km ao 389 Km
  • Conselheiro Lafaiete (BR-040): 617,4 Km ao 627,4 Km

Trechos analisados nas rodovias na Bahia

  • Antônio Cardoso (BR-116): 444,8 Km ao 454,8 Km
  • Santa Bárbara (BR-116): 378,8 Km ao 388,8 Km

Trechos analisados nas rodovias em Goiás

  • Porangatu (BR-153): 78,9 Km ao 88,9 Km
  • Formosa (BR-020): 41 Km ao 51 Km

Planilha de Ponto de Equilíbrio Financeiro

Análise trimestral sobre índices dos acidentes

O material de análise dos acidentes nas estradas realizado pela nstech tem o intuito de compreender motivos por trás dos sinistros e desenvolver abordagens eficazes para mitigar esses riscos, com implementação de tecnologias avançadas.

A gestão eficaz de sinistros no transporte rodoviário de carga é essencial para minimizar os impactos negativos com implementação de medidas preventivas, como treinamento adequado para motoristas, manutenção regular dos veículos e adoção de soluções para segurança das cargas.

A análise do 1° trimestre de 2023 sobre os acidentes no transporte de carga será abordada a partir do ebook Análise de Acidentes no Transporte de Cargas – 1° trimestre de 2023.

Para mais detalhes e informações, acesse a página e obtenha o material de forma completa e gratuita.

Tipo de cargas com maior incidência de acidente de trânsito

Confira quais são os tipos de cargas com maior incidência de sinistros no transporte rodoviário no início de 2023:

RankingTipo de CargaPercentual
Carga Fracionada40,15%
Maquinário/Peças18,19%
Alimentício18,07%
Cosméticos17,61%
Higiene e Limpeza3,42%
Eletroeletrônico/Eletrodoméstico2,28%
Bebidas0,28%
‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎

Fonte: Análise de Acidentes no Transporte de Cargas – 1° trimestre de 2023 (nsetch)

De acordo com a análise, as cargas fracionadas são afetadas mais vezes no âmbito de acidente de trânsito, devido ao envio de pequenas cargas do embarcador.

Devido à diversidade de produtos transportados nessas viagens, os responsáveis arcam apenas com o espaço útil do caminhão e as cargas ficam mais suscetíveis ao acidente de trânsito.

Após o elevado percentual das cargas fracionadas, os demais produtos com maiores problemas seguem com os maquinários e peças, os itens alimentícios e os cosméticos.

Com os menores índices de acidente de trânsito, os produtos de higiene e limpeza, de eletroeletrônicos e eletrodomésticos e de bebidas complementam a análise no transporte rodoviário de carga.

Regiões com maior frequência de acidentes nas vias

Para cada região do Brasil, alguns aspectos específicos são considerados nas análises da nstech. Com isso, conheça um panorama geral das regiões com mais sinistros e acidentes no Brasil:

RankingTipo de CargaPercentual
Região Sudeste51,22%
Região Centro-oeste18,73%
Região Nordeste16,18%
Região Sul12,56%
Região Norte1,31%
Internacional0,00%
‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎

Fonte: Análise de Acidentes no Transporte de Cargas – 1° trimestre de 2023 (nsetch)

As análises constatam uma diferença ampla de acidente de trânsito na região Sudeste, devido a concentração dos polos industriais e comerciais nesses estados.

A partir das múltiplas viagens diárias, os riscos aumentam conforme as ações dos demais veículos nas estradas e a segurança do motorista e veículo deve seguir em destaque para reduzir esses índices.

As regiões em sequência são Centro-oeste, Nordeste e Sul e elas também possem métricas elevadas dos acidentes no trânsito das rodovias, devido aos trajetos comuns de passagem entre os centros comerciais.

A pesquisa finaliza com a região Norte, com os menores índices da acidentes no transporte rodoviário de carga, além do Internacional que não é computado pela análise dos acidentes.

Principais rodovias com acidentes no transporte de cargas

Com as regiões mais afetadas pelos sinistros no relatório, as rodovias foram analisadas para compreender os lugares com casos mais comuns dos acidentes. Veja mais:

RankingTipo de CargaPercentual
Rodovias BR-11618,55%
Outras Rodovias 21,84%
Rodovias Urbanas12,87%
Rodovias SP-3107,36%
Rodovias RJ-1146,85%
Rodovias PR-2185,94%
Rodovias BR-3815,80%
Rodovias BR-0705,57%
Rodovias SP-3564,79%
10°Rodovias MS-3064,05%
11°Rodovias BR-1353,21%
12°Rodovias BR-4073,17%
‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎

Fonte: Análise de Acidentes no Transporte de Cargas – 1° trimestre de 2023 (nsetch)

Para análise das rodovias no Brasil, a rodovia BR-116, que interliga cidades importantes como Porto Alegre, Curitiba, São Paulo, Rio de Janeiro e Fortaleza, tem índices elevados de acidente de trânsito.

Em seguida, foi constatada que as vias urbanas são mais afetadas pelos acidentes, devido ao fluxo intenso do transporte e maior concentração populacional nas cidades.

As demais rodovias foram percebidas em âmbito nacional com impactos distintos de acordo com as especificidades de cada estado do Brasil.

Em destaque, estão as rodovias SP-310, nas cidades do estado de São Paulo, RJ-114, nas cidades do estado do Rio de Janeiro, PR-218, nas cidades do estado do Paraná, BR-381 (SP, MG e ES) e BR-070 (GO e MT).

Estados com mais acidentes no trânsito de carga

Em uma análise mais detalhada, a nstech encontrou métricas para definir as regiões com maior frequência de acidente de trânsito.

Para aprofundar esse conhecimento sobre os acidentes no transporte rodoviário de carga, acesse o ebook Análise de Acidentes no Transporte de Cargas – 1° trimestre de 2023, material desenvolvido pela nstech.

Com isso, confira os locais com mais sinistros e acidentes no Brasil:

Região Sudeste e Sul

São Paulo26,43%
Minas Gerais19,92%
Paraná11,97%
Rio de Janeiro4,86%
Santa Catarina0,50%
Rio Grande do Sul0,09%
‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎

Fonte: Análise de Acidentes no Transporte de Cargas – 1° trimestre de 2023 (nsetch)

Conforme percebido na análise das regiões do Brasil, os estados de São Paulo, Minas Gerais, Paraná e Mato Grosso são mais afetados pelos acidentes no transporte rodoviário de carga.

Região Centro-oeste

Mato Grosso11,34%
Mato Grosso do Sul5,49%
Goiás1,91%
‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎

Fonte: Análise de Acidentes no Transporte de Cargas – 1° trimestre de 2023 (nsetch)

Em seguida, Bahia, Pernambuco, Mato Grosso do Sul e Rio de Janeiro aparecem nos altos índices com acidente de trânsito.

Região Nordeste e Norte

Bahia8,47%
Pernambuco6,85%
Tocantins0,93%
Ceará0,86%
Pará0,38%
‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎

Fonte: Análise de Acidentes no Transporte de Cargas – 1° trimestre de 2023 (nsetch)

Como conclusão, os estados do Goiás, Tocantins, Ceará, Santa Catarina, Pará e Rio Grande do Sul estão com os menores índices da acidentes nas vias.

Dias da semana com mais acidentes no trânsito

Após conhecer as regiões, os estados e as rodovias com o índice de acidente de trânsito, descubra quais são os períodos e dias da semana com maior frequência de riscos no Brasil:

Período do dia

RankingTipo de CargaPercentual
Tarde36,53%
Madrugada28,26%
Manhã20,54%
Noite14,67%
‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎

Fonte: Análise de Acidentes no Transporte de Cargas – 1° trimestre de 2023 (nsetch)

Para análise do acidente de trânsito das semanas do ano, os horários e dias foram considerados para comparar os períodos com maior impacto dos sinistros no transporte de carga.

Dia da Semana

Domingo3,77%
Segunda-feira3,78%
Terça-feira11,29%
Quarta-feira14,52%
Quinta-feira27,07%
Sexta-feira30,07%
Sábado9,50%
‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎

Fonte: Análise de Acidentes no Transporte de Cargas – 1° trimestre de 2023 (nsetch)

Com isso, foi constatado o período da tarde como líder dos índices, seguido pela madrugada, manhã e noite e os principais dias com ocorrências de acidentes são sexta-feira, quinta-feira e quarta-feira.

Essas métricas são registradas através de médias no âmbito nacional e podem sofrer variações de acordo com as características e especificidades de cada localidade.

Prejuízos por mês para acidente de trânsito

Para concluir os principais dados da análise trimestral, as perspectivas sobre a evolução da redução dos índices de acidentes no trânsito são registradas para incentivar os esforços pela segurança de forma geral.

Janeiro21,25%
Fevereiro51,39%
Março27,36%
‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎ ‎

Fonte: Análise de Acidentes no Transporte de Cargas – 1° trimestre de 2023 (nsetch)

Os dados e métricas serão atualizados de acordo com as novas análises pela nstech e, assim, o controle e o monitoramento dos sinistros poderão ser implementados.

Lembre de acessar a página e adquirir o ebook Análise de Acidentes no Transporte de Cargas – 1° trimestre de 2023 de forma gratuita e completa.

Com acesso ao material, os detalhes e especificações de cada informação analisada será esclarecido para elevar a percepção sobre o contexto da segurança nas estradas e rodovias do Brasil.

Como fazer a prevenção de acidentes

Se a falta de infraestrutura nas estradas é algo que as empresas de transporte rodoviário de cargas não conseguem resolver, tem um fator que depende em grande parte delas: o gerenciamento de riscos e a capacitação dos motoristas.

Para reforçar a segurança nas viagens, reduzir custos e aumentar a produtividade, é fundamental aumentar a segurança e fazer a prevenção de acidentes. Felizmente, já existem tecnologia e soluções especializadas para ajudar nessa missão.

Como usar a tecnologia para aumentar a segurança no transporte de cargas e evitar acidentes nas rodovias
Baixe agora nosso ebook Como usar a tecnologia para aumentar a segurança no transporte de cargas e evitar acidentes nas rodovias.

Mais segurança para prevenção de acidentes nas estradas

Maior gerenciadora de riscos do Brasil, a Buonny tem a tecnologia, a experiência e o conhecimento necessários para elevar a performance das empresas de transporte rodoviário de cargas.

Todas as soluções estão voltadas ao aprimoramento das operações de movimentação de mercadorias, com foco na eficiência, qualidade e segurança. A inovação no quesito prevenção de acidentes é constante.

O BuonnyTech é uma solução para quem busca produtividade, prevenção de riscos e redução de acidentes. A ferramenta analisa os dados coletados por dispositivos de alta tecnologia para fortalecer e melhorar a segurança da frota, protegendo a vida dos motoristas e evitando perdas com sinistros.

A atenção está no comportamento do motorista e no acompanhamento das atividades e das viagens. Com a ferramenta é possível fazer o controle de velocidade, detecção de fadiga e monitoramento de trechos em curvas perigosas.

Se você quer aumentar a segurança em suas operações, preservar vidas, preparar os caminhoneiros para enfrentar os desafios do dia a dia nas estradas e ampliar a eficiência, a produtividade e a rentabilidade nos negócios, fale com um dos especialistas da BuonnyTech.

Compartilhar esse artigo:
LinkedInFacebookTwitter

Entre em contato