Roubo de carga: como ampliar a segurança no transporte rodoviário

O setor logístico brasileiro enfrenta uma série de riscos e desafios operacionais devido ao roubo de carga.

O roubo de carga é um dos principais problemas no transporte rodoviário e mesmo com viés de queda no Brasil, as ocorrências ainda preocupam e causam prejuízos bilionários.

O roubo de carga é um assunto que aflige 62,5% dos transportadores rodoviários, segundo a Pesquisa CNT Perfil Empresarial. Também pudera! Em 2021, de janeiro a outubro, o Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública (Sinesp) contabilizou 11 mil ocorrências.

Em 2020 foram mais de 14 mil casos de roubo de carga e prejuízo de R$ 1,2 bilhão, de acordo com a Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística – NTC&Logística. Para reduzir os prejuízos e aumentar a segurança das operações de transporte rodoviário, a melhor alternativa é investir em tecnologia e capacitação.

Se você quer reduzir os índices de roubo de carga em sua operação e garantir que a carga chegue ao destino em segurança, confira todos os detalhes neste artigo.

Roubo de carga em números

No Brasil circulam cerca de 2,5 milhões de veículos de transporte de cargas, um crescimento de 70% na frota nos últimos 15 anos. Assim como cresce a atividade no setor, aumenta também a preocupação com a segurança.

O levantamento feito pela Confederação Nacional dos Transportes mostra que 62,5% das empresas pesquisadas já foram alvo de ações criminosas. Entre elas, 51,7% dos casos ocorreram nos últimos dois anos. Mais de 40% registraram de 1 a 5 roubos no período, 6,9% foram vítimas de 6 a 10 ocorrências e 2,8% registraram mais de 10 roubos de carga.

Índices de roubo de carga por estados

A regiões Sul e Sudeste foram apontadas pela CNT como as recordistas em número de ocorrências em 2021, com 74,2% e 66,3% dos casos, respectivamente. Paraná e Santa Catarina (Sul) e São Paulo e Rio de Janeiro (Sudeste) tem os maiores percentuais.

Os dados da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo revelam, inclusive, aumento nos índices de roubo de carga na região. De janeiro a agosto de 2021 foram 4.131 crimes desta natureza no Estado, uma alta de 4,71% em relação ao mesmo período de 2020.

A maioria dos casos foi registrado na Capital, que somou 46,21% das ocorrências. A região metropolitana de São Paulo, com 39 municípios, teve 1.273 roubos ou furtos de carga, correspondendo a 30,82% dos sinistros.

No Rio de Janeiro, dados do Panorama do Roubo de Carga 2022 divulgado pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) indicam uma média de 12 ocorrências de roubo de carga por dia no Estado. Na soma do valor médio das mercadorias roubadas, as perdas chegaram a R$ 389 milhões.

Regiões com maiores índices de roubo de cargas

Os prejuízos foram de mais de R$ 1,4 bilhão e a região Sudeste continua sendo a mais afetada, com 84,26% das ocorrências.

Na sequência, aparece a região Sul, com 6,52%, Nordeste, com 6,29%, Centro-oeste, com 1,69%, e por último, a região Norte, com 1,24%.

No Sudeste, o total é de R$ 952,93 milhões de prejuízo, na região Nordeste corresponde por R$ 157,84 milhões, no Sul com R$ 133,11 milhões, na região Centro-oeste com R$ 106,39 milhões e Norte, com R$ 47,81 milhões.

Produtos mais visados para roubo de cargas

As mercadorias com maior valor agregado, facilidade no manuseio e boa comercialização no mercado clandestino estão entre as mais visadas pelas quadrilhas de roubo de carga.

Medicamentos, principalmente analgésicos, antigripais, anti-hipertensivos e polivitamínicos, celulares, eletroeletrônicos, cigarros, alimentos e bebidas figuram no topo do ranking.

A lista tem ainda produtos químicos, combustíveis, insumos agrícolas, autopeças, têxteis e confecções, higiene pessoal e limpeza. Via de regra, as quadrilhas preferem produtos de escoamento imediato, na tentativa de reduzir o risco de flagrantes.

Entre as empresas consultadas pela CNT, 80,5% das que transportam frigorificados já sofreram ações de roubo de carga. Entre as que operam carga geral, o percentual é de 68,3%, seguidas por carga perigosa (63,9%).

Por isso, quem atua no transporte rodoviário precisa redobrar as medidas de segurança, investir na capacitação de profissionais, utilizar tecnologia de proteção, ter bons planos de gerenciamento de risco e contar com serviços de inteligência para a recuperação das cargas.

Como usar a tecnologia para aumentar a segurança no transporte de cargas e evitar acidentes nas rodovias
Baixe agora nosso ebook Como usar a tecnologia para aumentar a segurança no transporte de cargas e evitar acidentes nas rodovias.

O que se configura como receptação?

Atualmente, a pena para quem conscientemente compra, recebe ou transporta mercadorias roubadas vai de um a quatro anos de reclusão.

Se essa receptação se der com fim comercial ou industrial, a receptação é qualificada e a pena pode chegar a oito anos. O crime de receptação também se caracteriza quando alguém tenta fazer com que outra pessoa, de boa-fé, compre, receba ou esconda essa mercadoria.

Implementações do projeto para mitigar casos de receptação

O projeto aumenta a pena tanto para a receptação quanto para a receptação qualificada. Para o primeiro crime, a reclusão passaria a ser de dois a seis anos. Já para o segundo, a pena passaria a ser de cinco a dez anos.

Outro texto (PLS 321/2017) aumenta as penas tanto para o roubo quanto para a receptação, quando os objetos forem provenientes do transporte de cargas.

Quanto tempo está estipulado para pena?

Pelo projeto, as penas para o roubo e a receptação qualificada serão aumentadas de um terço à metade nesses casos. Para o roubo, a pena máxima pode passar de dez para 15 anos.

Já para a receptação qualificada, a punição passa do máximo de oito anos para 12.

Análise das propostas para reduzir roubo de carga e receptação

Os dois textos foram analisados pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ).

Além deles, a comissão também tem na pauta o PLC 125/2011, que aumenta de um terço à metade as penas para roubo e receptação, quando o objeto for carga que era transportada em caminhão, embarcação, trem ou aeronave.

O texto tramita em conjunto com vários outros projetos ligados à alteração no Código Penal (PLS 236/2012).

Como gerenciar períodos de queda no roubo de carga?

Em alguns períodos, a queda de roubos está ligada ao investimento que as empresas em tecnologia e medidas de segurança em suas operações.

Além disso, destacam-se o trabalho de órgãos de segurança pública estaduais e federais, com ações mais rigorosas no combate ao roubo de cargas.

Os roubos ocorrem em grande parte porque os receptadores, que compram as cargas roubadas e incentivam o crime, estão impunes por conta de uma legislação arcaica.

O agravamento de penalidades para esse delito, tanto a pena para a pessoa do receptador como para o seu estabelecimento, é essencial para que a licença de funcionamento dos criminosos seja cassada.

Principais motivadores para aumento dos roubo de carga

De acordo com a Polícia Militar, a alta nos crimes pode estar relacionada à infraestrutura viária das cidades, que possuem rodovias que interligam a capital ao interior.

Além disso, as inúmeras rodovias, transportadoras, comércios e empresas criam um grande fluxo de pessoas, carros e cargas, facilitando a ação de criminosos.

Recomendações para aumentar a segurança durante o transporte de carga

  • Realize paradas para abastecimento, refeição, banheiro e pernoite apenas nos postos autorizados;
  • Pare sempre em locais seguros, com boa iluminação e bem movimentados;
  • Nunca dê carona ou informe sobre a carga e itinerário a terceiros;
  • Realize o pernoite no horário estabelecido pelo Transportador;
  • Fique atento à movimentações estranhas durante a viagem e principalmente durante as paradas;
  • Evite sabotagem no veículo! Após uma parada, examine as partes vitais de seu caminhão;
  • Comunique imediatamente a Central de Monitoramento sobre qualquer situação suspeita.

Em casos extremos, instruções devem ser seguidas para garantir segurança

  • Se baterem propositalmente em seu caminhão, permaneça com as janelas fechadas, portas trancadas e dirija-se a cabine policial mais próxima;
  • Caso você seja abordado fique calmo e anuncie seus movimentos. Não faça movimentos bruscos e procure obedecer para não irritar o assaltante.

Pense primeiro em salvar a sua vida! Somente depois disso, pense em seu veículo e pertences. Tenha em mente que o objetivo dos assaltantes é a carga e não a sua vida.

13 dicas para evitar o roubo de carga

Considerado um dos países mais vulneráveis quando o assunto é a segurança no transporte rodoviário de cargas, o Brasil faz da contratação de seguros um dos métodos mais usuais para mitigar os prejuízos com roubo de carga.

Além disso, há uma série de ações preventivas que podem – e devem – ser tomadas para reduzir a sinistralidade nas operações. Confira algumas dicas para reduzir os riscos e prevenir o roubo de carga.

  1. Aprimore as estratégias de contratação de funcionários e prestadores de serviço.
  2. Invista na capacitação e conscientização dos motoristas.
  3. Defina os melhores trajetos e rotas, identifique os trechos mais vulneráveis e selecione locais seguros de parada.
  4. Contrate uma gerenciadora de riscos experiente.
  5. Oriente os motoristas a seguirem todos os protocolos do plano de gerenciamento de risco.
  6. Aprimore a comunicação entre os motoristas e a Central de Monitoramento.
  7. Utilize tecnologia para rastreamento, monitoramento e segurança das cargas.
  8. Redobre os cuidados na hora do desembarque. Nem todos os roubos de cargas acontecem nas rodovias.
  9. Priorize as viagens diurnas e em comboio.
  10. Invista em automação e soluções específicas para a gestão logística e o gerenciamento dos riscos.
  11. Conte com sistemas que ofereçam visibilidade das viagens em tempo real.
  12. Reduza a previsibilidade da operação variando as rotas e atualizando as estratégias de segurança.
  13. Diminua o tempo de carga em repouso. Caminhões em movimento são menos vulneráveis.

Tecnologia e assertividade na gestão de risco

Para combater roubos de cargas, a Buonny tem investido fortemente em tecnologia nos últimos anos, o que certamente contribuiu para a redução observada nas estatísticas dessa prática nas rodovias brasileiras.

Baseada em inteligência artificial, a tecnologia Buonny identifica falsificadores que tentam se passar por motoristas profissionais, com o intuito de roubar as cargas.

Agora que você sabe mais sobre as atuações dos roubos de cargas, conte com a tecnologia da Buonny para monitorar as atividades.

Nossas soluções trazem aos nossos clientes sistemas de monitoramento em tempo real para mais segurança e eficiência durante a operação.

Se você precisa de ajuda para melhorar a segurança na sua operação de transporte e para reduzir os prejuízos com roubo de carga, conte com quem entende do assunto. A Buonny tem as soluções ideais para melhorar a sua performance, eficiência e segurança. Converse com um especialista.

Compartilhar esse artigo:
LinkedInFacebookTwitter

Entre em contato