Boas práticas de gestão de riscos para o final do ano

O segundo semestre costuma ser aquecido para o varejo. Tradicionais datas comerciais como a Black Friday, Natal e Réveillon aumentam a demanda pelo transporte de cargas e exigem boas práticas na gestão de riscos para o final do ano.

Para garantir a alta performance nas entregas e a movimentação segura das cargas, embarcadores e transportadores precisam investir em uma operação logística eficiente, organizada e com ampla visibilidade. Para isso, a gestão de riscos é um procedimento indispensável que deve levar em conta a sazonalidade.

Quer fazer entregas no prazo combinado e com a qualidade esperada? Confira as dicas que preparamos neste artigo e entenda como a gestão de riscos contribui para o sucesso da logística.

Panorama dos roubos para gestão de riscos no final de ano

O roubo de cargas é um dos principais problemas enfrentados pelo setor logístico. Em 2021, o Brasil registrou um aumento nas ocorrências, que chegaram a 14.400 casos e um prejuízo de R$ 1,27 bilhão.

Os dados são da Associação Nacional de Transporte de Cargas e Logística (NTC & Logística).

Neste ano, passada a pandemia e com a liberação de eventos presenciais, confraternizações e festas familiares, a tendência é de que o consumo aumente no Natal e no Réveillon, chamando a atenção das quadrilhas especializadas em roubo de cargas.

A região Sudeste lidera as estatísticas, concentrando 82% das ocorrências em 2021. O Sul ficou em segundo lugar (6,82%), seguido pelo Nordeste (5,44%), Centro-oeste (3,66%) e Norte (1,42%).

Eletroeletrônicos, bebidas, produtos alimentícios, cigarros, vestuário e têxteis estão entre as cargas mais visadas, principalmente pela facilidade de repasse no mercado ilegal.

A grande demanda por esses produtos em épocas sazonais, como Natal, Ano Novo e Black Friday, torna a investida das quadrilhas recorrente no segundo semestre. Em 2022, com o comércio de olho também na Copa do Mundo, transportadores terão uma data a mais para se preocupar e reforçar as estratégias de gestão de risco.

Como usar a tecnologia para aumentar a segurança no transporte de cargas e evitar acidentes nas rodovias
Baixe agora nosso ebook Como usar a tecnologia para aumentar a segurança no transporte de cargas e evitar acidentes nas rodovias.

Principais motivos para melhorar a gestão de riscos no final do ano

O segundo semestre é, naturalmente, um período de maior exposição ao risco e vulnerabilidade para o transporte de cargas. Isso porque eventos como Copa do Mundo, Black Friday, Natal e Ano Novo movimentam a economia e o comércio.

A expectativa da Associação Brasileira do Varejo (ABV) é de um aumento de 12% nas vendas no acumulado de julho a dezembro em relação ao primeiro semestre de 2022 – uma injeção de R$ 20 bilhões na economia.

O e-commerce também está otimista e espera um aumento de 30% no faturamento de novembro em comparação a outubro. No primeiro semestre de 2022, o comércio eletrônico vendeu R$ 118,6 bilhões, segundo levantamento da Ebit/Nielsen.

Na soma dos primeiros meses do ano, o faturamento cresceu 785% se comparado ao mesmo período antes da pandemia.

Os números revelam que, com o varejo aquecido e o crescimento no consumo, o transporte de cargas também deverá crescer e se preparar para atender as demandas. O problema é que essa proporcionalidade direta entre compras e transporte eleva os riscos de roubo de cargas.

E ainda que a sazonalidade seja uma “velha conhecida” do setor de transportes, é fundamental que a cada ano as empresas revisitem suas estratégias e fortaleçam a gestão de risco para o final do ano.

Como melhorar a gestão de riscos para o final do ano

Em épocas de grande demanda no transporte de mercadorias é necessário reduzir a previsibilidade das operações, aumentar os protecionais e ajustar as regras do Plano de Gerenciamento de Riscos.

Para isso, embarcadores e transportadores devem identificar as principais vulnerabilidades da operação e apostar em estratégias como a prevenção. Na lista das medidas para melhorar a gestão de riscos no final do ano estão:

  • Mapeamento dos riscos e classificação de gravidades.
  • Investimento em roteirização, rastreamento e monitoramento das viagens.
  • Otimização dos processos e aumento da segurança no fluxo de informações, para evitar vazamentos.
  • Capacitação dos profissionais envolvidos nas operações de transporte.
  • Utilização de sistemas integrados de gestão que conectem todas as áreas e facilitem o acesso aos dados em tempo real.
  • Aprimoramento dos meios de comunicação entre os envolvidos no processo logístico, em especial entre motoristas e a Central de Monitoramento.
  • Suporte de parceiros experientes e Planos de Gerenciamento de Risco customizados de acordo com as especificidades e grau de risco da operação.

Planilha de Acerto de Motorista. Baixar agora!

5 soluções para evitar o roubo de cargas no final do ano

Seja qual for o volume de mercadorias sob sua responsabilidade no segundo semestre do ano, fazer a gestão de risco fica mais fácil com o uso de tecnologia. A dica é apostar em soluções como:

Sistema de Gerenciamento de Transportes

Essa ferramenta é capaz de aprimorar a segurança e aumentar em até 30% a eficiência das operações de transporte de cargas. Ajuda no planejamento das viagens, otimização da frota e faz o acompanhamento em tempo real das viagens. Toda a gestão de transporte pode ser feita a partir de uma tela.

Outra vantagem de soluções como a Gestão Logística é o acesso a dashboards gerenciais que oferecem uma visão ampla de todo o processo, auxiliando na tomada de decisão, controle de custos, redução da ociosidade da frota e gestão de risco no final do ano.

Monitoramento 24 horas

Saber onde estão o caminhão e a carga aumenta a produtividade e a segurança nas operações de transporte. Com um sistema de monitoramento 24 horas as empresas conseguem localizar a frota, garantir que a viagem esteja transcorrendo de acordo com o planejado e, assim, melhorar a gestão de risco para o final do ano.

O investimento em sistemas de monitoramento baseado em inteligência artificial e tratativas em tempo real ajuda, inclusive, na redução dos custos com seguro. Além disso, serviços como o Monitoramento 24 Horas oferecem atendimento ao condutor e acionamento de agentes de segurança pública em situações de emergência.

Rastreamento

Esse recurso permite o rastreamento da mercadoria e a localização do caminhão. Entre as estratégias está o uso de iscas descartáveis ou retornáveis inseridas na carga e que facilitam o rastreamento ao longo de toda a viagem.

O recurso é fundamental na localização de cargas roubadas, por exemplo. Mesmo que a mercadoria seja retirada do caminhão, os rastreadores mantêm o sinal ativo.

Telemetria e sensores

Quem aposta nas ferramentas da BuonnyTech, como a telemetria, obtém dados em tempo real sobre o desempenho do veículo, desgaste precoce de peças, consumo de combustível, aceleração e frenagens bruscas, situações de risco, identificação de curvas perigosas, risco de tombamento, aproximação de outros veículos etc.

Além disso, por meio de sensores e câmeras é possível acompanhar a forma como o motorista conduz o caminhão, se faz uso de celular ao volante, se está cansado, com sono ou se assume atitudes de risco. Com essas informações, fica mais fácil adotar medidas de gestão de risco, com ganhos em eficiência e segurança na operação.

Cadastro e consulta

Um serviço eficiente de cadastro de motoristas traz agilidade e confiança na hora de contratar os profissionais responsáveis pelo transporte da carga. Com inteligência artificial, tecnologias avançadas de automação e experiência das gerenciadoras de risco é possível obter os resultados das consultas de forma instantânea, com a máxima qualidade das informações.

A medida previne fraudes. No caso do Cadastro, os clientes ainda contam com uma pioneira tecnologia de reconhecimento facial para identificar clonadores.

Quer melhorar a gestão de risco no final do ano? Conte com a Buonny, líder em gerenciamento de risco, e descubra como tornar suas viagens mais seguras e as entregas mais eficientes. Fale com um especialista!

Compartilhar esse artigo:
LinkedInFacebookTwitter

Entre em contato